Polo 2 de julho vai gerar mais de 10 mil empregos no Recôncavo

polo industrialA Bahia terá um novo complexo industrial com o objetivo de atender a crescente demanda da indústria de óleo e gás do pré-sal e do pós-sal e a revitalização da indústria naval na Baía de Todos-os-Santos. Denominado Polo 2 de julho, o complexo será implantado no município de Maragogipe, no Recôncavo, a cerca de 130 quilômetros de Salvador, dando suporte ao Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP).

Assinado nesta terça-feira (26), na Governadoria, Centro Administrativo da Bahia, o protocolo de intenções entre o Governo da Bahia, o EEP e as empresas ASK, OAS, Odebrecht e UTC prevê investimentos de R$ 2 bilhões na implantação do empreendimento que deve gerar 8 mil empregos diretos e 12 mil indiretos.

“Queremos que parte dos itens de uma plataforma de petróleo, de preferência os que possuem mais tecnologia acoplada, possa ser produzida aqui e, com isso, agregar valor à Bahia, melhorar a competitividade do estaleiro baiano e aumentar a geração de empregos e riquezas”, disse o governador Jaques Wagner.

De acordo com o protocolo, o Estado assumirá obrigações de fornecer a infraestrutura externa necessária para o desenvolvimento das atividades do polo, como água, esgoto, acesso e, ainda, benefícios fiscais para as empresas investidoras no Polo 2 de Julho.

Infraestrutura e logística

As empresas que se instalarão no complexo serão forjarias, fundições, indústrias de metal-mecânica, sistemas e fornecedores, produzindo módulos de acomodação naval, de processo de tratamento e outros, voltadas para o EEP.

Projetado como um condomínio industrial, o polo disponibilizará infraestrutura e logística com locação de galpões pátios, além de rodovia e ferrovia expressas com um terminal distante apenas 7 quilômetros do Porto de São Roque do Paraguaçu.

O local escolhido para instalar o empreendimento corresponde a uma área de 400 hectares que fica a 10 quilômetros do EEP. A localização estratégica permite condições favoráveis ao transporte de peças e componentes, o que segundo o diretor da ASK Capital, Carlos Castro, garante vantagens competitivas ao polo produtivo. “A proximidade dos estaleiros e do mar cria oportunidades extraordinárias para que o polo se insira na cadeia de fornecimentos do setor”.

Também estão previstos expansões com áreas comerciais, hotéis, áreas residenciais para trabalhadores, além de programas de capacitação de mão de obra através de convênios com escolas técnicas, Senai e ministério da Educação (MEC).

Fonte: navegandojuntos

Comentários