Estaleiro anuncia início de nova etapa em sua construção

O Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP) acaba de anunciar a conclusão da etapa de dragagem de aprofundamento na região de Enseada, no município de Maragojipe, no Recôncavo Baiano. Em pouco mais de cem dias de trabalho, foram dragados 2,616 milhões de m3 de areia e arenito, o que propiciou o aumento do calado do rio de 6 para 13 metros de profundidade.
“A marca foi confirmada logo após a realização da batimetria no Rio Paraguaçu, quando obtivemos os mapas de profundidade e os perfis das áreas submersas”, disse Orres Vicente, responsável pelas obras marítimas do Consórcio Enseada do Paraguaçu (CEP), empresa responsável pela construção do moderno estaleiro baiano.

Estaleiro entra em operação em janeiro de 2014

Ainda segundo o técnico, o trabalho foi realizado para viabilizar a construção do cais de atracação dos navios e do dique seco, importantes áreas de um estaleiro do porte do que está sendo construído na Bahia, que terá capacidade de processar 36 mil toneladas de aço por ano, gerando 20 mil empregos diretos e indiretos.
Compromisso socioambiental
 
Para a execução da dragagem, o EEP delegou a etapa a uma empresa belga que é referência, a Jan De Nul, dona da mais moderna e diversificada frota de dragagem do mundo. O serviço foi precedido por audiências e encontros públicos que reuniram mais de 1.000 pessoas das comunidades envolvidas, sobretudo de Maragojipe, Salinas da Margarida e Saubara.
A realização dos serviços, iniciados em 14 de dezembro do ano passado, foi precedida por mediações promovidas pelas instâncias Federal e Estadual do Ministério Público, de modo a reduzir ao máximo eventuais impactos socioambientais.

EEP realiza evento em parceria com a Fieb para atrair fornecedores à Bahia

“Além de trazer o que há de mais moderno no mundo, realizamos a etapa de dragagem tendo feito previamente um longo processo de negociação, com participação social efetiva, harmonizando os diversos interesses envolvidos e propiciando a geração de emprego e renda para a Bahia”, revelou o diretor de Relações Institucionais e Sustentabilidade do EEP, Humberto Rangel.
Com o encerramento da etapa de dragagem e o fim da terraplenagem, prevista para acontecer ainda em abril, as obras físicas acabam de atingir 10,15%, abrindo caminho para novas etapas do processo de construção do Estaleiro, que a partir de 2014 construirá, pela primeira vez no Brasil, seis navios-sonda que serão utilizados pela Sete Brasil para exploração da camada pré-sal.
Fonte: EEP/CE

Comentários